sábado, dezembro 20, 2014

Resenha: Juliette Society - Sasha Grey

Sasha Grey

Em seu primeiro livro a autora ex estrela do cinema adulto Sasha Grey escreve algo sobre um tema que não seria estranho esperar de alguém que sai desse ramo, ainda assim ela sofre com o preconceito por parte de algumas pessoas mesmo antes de ler o livro e devem achar que se trata de mais uma obra com sadomasoquismo açucarado e sem graça.


Sinopse

Se eu te contasse que existe um clube secreto, cujos membros pertencem à classe mais poderosa da sociedade – banqueiros, milionários, magnatas da mídia, CEO’s, advogados, autoridades, traficantes de armas, militares condecorados, políticos, oficiais do governo e até mesmo o alto clero da Igreja Católica –, você acreditaria?
Este clube se reúne sem regularidade, em um local secreto. Às vezes em locais distantes e às vezes escondidos. Mas jamais duas vezes no mesmo lugar. Normalmente, nem mesmo duas vezes no mesmo fuso horário.
E esses encontros, essas pessoas... não vamos enrolar, vamos chamá-las do que são, os Mestres do Universo. Ou o Braço Executivo do Sistema Solar. Então, essas pessoas, os Executivos, usam os encontros como uma válvula de escape do cansativo e estressante negócio de estragar ainda mais o mundo e criar novas maneiras sádicas e diabólicas de torturar, escravizar e empobrecer a população.
E o que eles fazem em seu tempo livre, quando querem relaxar?
Deveria ser óbvio.
Eles fazem sexo.


A leitura é bem fluida e em alguns momentos a historia surpreende o leitor que espera por fetiches clichês em livros do tipo, uma vez que a autora aborda vários tipos de fantasias sexuais, desde coisas mais banais a "novos" fetiches disseminados pela internet. Um dos pontos positivos é a boa construção dos personagens cheios de enigmas, outra coisa legal são as comparações de acontecimentos à cenas de clássicos do cinema, isso porque a personagem principal estuda cinema. Como pontos negativos a vida dupla quase inexistente da personagem principal Catherine que é levada pela nova melhor amiga Anna, com quem já estudava junta, para o "supermundo" das festas sexuais e de prazeres ilimitados, mas que não tem experiencias tão hardcore quanto as da amiga.

No fim o livro é legal, mas peca em algumas partes, como personagens que simplismente somem sem ter um final propriamente dito, você apenas imagina as possibilidades de coisas que podem ter acontecidos com eles. Considerando que essa é a estreia e que talvez se ela escrevesse sobre algo diferente de sexo sofresse mais preconceito do que sofreu com esse livro, a eterna musa do pornô se saiu muito bem. Confiram o vídeo: